sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Sinarquia


Prezados amigos, este estudo é um pouco longo, mas é de autoria de autoridade no assunto. cujo nome será revelado ao final de 3 ou 4 postagens...

Sistema Filosófico-Político-Iniciático
Qualquer pessoa de bom senso pode observar que estamos vivendo estágios avançados de uma tríplice crise: uma crise econômica, gerando colapsos como recentemente o caso do México; uma crise política, originada pelo alto índice de corrupção e pela falta de representatividade das democracias modernas; e por último uma crise moral, gerando seres destituídos de valores realmente humanos, o que por si só provoca toda essa situação caótica. Este estado de coisas deriva da pressão exercida pelas necessidades materiais, econômicas, sobre o poder central, no sentido de desassociar a moral da política, a espiritualidade da lei, esta poderíamos dizer é a causa mórbida mais mortal que sempre foi capaz de implantar a anarquia em qualquer sociedade.
Pautados em leis universais, os iniciados sabem que a solução dessa situação, caótica está na submissão absoluta da política à moral, do poder à autoridade. Essa é a lei secreta que permitiu a Hermes erigir a civilização egípcia, a Krishna fazer o mesmo na Índia, e a Quetzalcoalt tirar o povo asteca da barbárie, enfim que permitiu a todos os grandes heróis civilizadores, transformarem uma turba, num povo. A chave dessa organização Iniciática da humanidade, era conhecida por Moisés, que trabalhando de dia e de noite a utilizou para organizar o povo de Israel, quando o tirou do Egito, instituindo sobre este, três conselhos, o Conselho de Deus (formado por Sacerdotes e Professores), responsável pelo ensino, o Conselhos dos Deuses (formado por juizes) e o Conselho dos Anciões de cada tribo (representando a economia), a instituição essencial desse sistema era o Kahal, palavra que hoje quer dizer comunidade, ou fraternidade, e seus fragmentos constituem ainda hoje a base da organização do povo judeu. Hoje como em todas as épocas, existem não no astral, mas em nosso plano físico, homens que aspiram realizar certas reformas sociais, e que não pertencem aos organismos visíveis da sociedade. Esses homens, reunidos em pequenos grupos, criam, os instrumentos, variáveis com as circunstâncias, o país escolhido e o estado de consciência da época. Eles agem conforme a velha ciência de organização social, proveniente dos antigos santuários do Egito e da Índia, e conservada até os nossos dias em certos centros herméticos.
Esse segredo, filosófico-político, é analógico à organização simbólica do centro iniciático mundial, conhecido como Paradesha ou Agartha, que é governado por uma trindade, o Brahatma, ou o Rei do Mundo, expressão do Espírito de Deus e as suas duas colunas (Jachim e Bohaz), o Mahatma representando a Alma Universal e o Mahanga simbolizando toda a organização Material do Cosmos. Essa estrutura forma o protótipo de todos os demais centro iniciáticos, sejam eles Teosóficos, Maçônicos, Eubióticos, Rosa-Cruzes, etc... e deveria servir de arquétipo de organização social.
Esse sistema filosófico-político, denominado de Sinarquia, não é algo abstrato, mas constitui um programa de ação, com vistas ao desenvolvimento de qualquer povo, constitui a mola real das grandes civilização antigas, e pode ser utilizado, na atualidade, em benefício da nossa sociedade anárquica. De acordo com a Sinarquia a sociedade possui três membros, caracterizados por sistemas administrativos específicos, adequados às suas finalidades. Esses três membros ou funções são, a função espiritual, a função política e a econômica. O caos social é gerado quando, devido a uma centralização excessiva, a área estatal invade a área econômica e de ensino, como no caso do comunismo, ou a área econômica domina a área de ensino e a área estatal, o caso do neo-liberalismo atualmente, ou ainda a área espiritual invade as outras duas áreas, como fez a igreja católica na idade média. Segundo o ponto de vista sinárquico, para que uma civilização possa surgir, é necessário uma organização na qual nenhuma função, anexe as demais, mantendo-se a independência de cada uma, em sua esfera, embora formem um conjunto, ou seja a separação da função espiritual, da função estatal e da função econômica.
O que é Sinarquia?
      Sinarquia é uma lei de organização das sociedades; a síntese dos sistemas de governo teocrático, aristocrático e democrático; consiste na aplicação de uma ciência política oculta, que estuda o poder, a sua conquista, o seu exercício e a sua finalidade.
Origem do nome Sinarquia
Sinarquia pode ser entendida como a palavra que denomina tal sistema de governo, na etimologia grega, é formada por sun (com) e arché (comando), ou seja, uma sociedade com governo, em substituição a nossa sociedade anárquica, sem governo, gerada pela centralização estatal, e pela ditadura da classe política, formada por políticos profissionais, aliados do poder econômico e especuladores internacionais, que arruínam países e escravizam suas populações.
     
A Sinarquia consiste na aplicação dos ensinamentos da Alta Ciência, visando atingir a harmonia que procede do domínio das causas primeiras, isto é do domínio do conhecimento das Leis Universais.
    
Como desenvolver a Sinarquia como sistema organização social?
Para que a Sinarquia possa desenvolver-se como sistema de organização social, devem ser fomentadas algumas modificações sociais, tais como:
•       
A criação de três funções sociais especializadas cada uma no seu próprio domínio, funcionando de maneira integrada à função espiritual, à função política e à função econômica. A trimembração da sociedade baseada na Biologia Social.
•       
A distinção entre a autoridade, poder e força. A autoridade referindo-se ao espiritual, o poder referindo-se a política, e a força como atributo da população.
•       
A reconciliação da ciência com a religião e a subordinação da primeira à valores éticos, um conceito chamado de Antropotecnia.
•       
A humanização do sistema capitalista, através do desenvolvimento de reformas que levem em conta a função social do capital, estabelecendo a colaboração entre capital e trabalho, no que chamamos de Humanismo Econômico.
Biologia Social
É a aplicação no campo social de princípios gerais, utilizando a chave da analogia, segundo a qual tudo é análogo no Universo, logo a lei que dirige uma célula do homem, é basicamente a mesma lei que dirige o próprio homem, como ser vivo, e essa mesma lei deve cientificamente dirigir a coletividade humana, dado ser esta última também, uma espécie de ser vivo, formado por homens e estes por sua vez são formados por seres unicelulares. Essa lei é a de que qualquer ser vivo, encarnado, composto por três elementos básicos o corpo, a alma e o espírito; esses três centros motores o físico ligado a função econômica, da alimentação, da distribuição e da excreção, o psíquico ligado a função legislativa-jurídica, a personalidade que através dos desejos e das aspirações decide, segundo o seu desenvolvimento e sua capacidade de perceber, compreender e seguir as emanações geradas pelo espiritual, ligado ao fim último do ser vivo, na sua realização plena.

2 comentários:

  1. Júlio,

    Vou acompanhar (c/atenção) já que se trata de matéria desconhecida.
    Grata, Norma

    ResponderExcluir