terça-feira, 17 de maio de 2011

Repetindo esta lua prateada... nem tudo pode ser escrito, nem tudo.



Mas em Honra de um CAVALEIRO que a Valorosos Cavaleiros outros consagrou dedico esta prosa breve e leve, ao entardecer...


Diálogo.
Na Rua das Acácias, de frente ao poente e à direta que leva à Praça da Lua, esquina
com a Rua dos Girassóis que leva à Praça do Sol, súbito agradável perfume de alguém que se aproximava, sentiu-se no ar.

Transversal ao poente, os últimos raios dourados refletiam-se no cabelo claro da linda jovem, que supostamente vinda da Praça do Sol, parava à minha frente a sorrir.

E o sol curiosamente estendia-se ao longo da Rua das Acácias, projetando a sua bela silhueta no asfalto, e seguia em frente com seus dedos dourados acariciando a Lua de metal prateado escultural, que se exibia no centro da Praça, que leva seu nome, e que até parecia o Sol querer beijá-la...

Sofia era o nome da jovem, que agora à minha frente sorrindo perguntava:
- Vens comigo ao rio ver o sol, se esparramar na água?

Refeito da surpreendente beleza de Sofia, dei-me conta de que o rio ficava às minhas costas; voltando involuntariamente o olhar nessa direção a confirmar ao voltar e ao vê-la novamente, respondi:
- sim, vamos!
Sofia, de olhar sereno calma de espírito, pegava minha mão e de mãos dadas seguíamos até ao rio, e confesso nunca antes o Sol dourado ao crepúsculo faiscou tão belo, como aquele dia.
Por certo que ao meu lado, juntos eu e Sofia memoravamos o Sol Poente, por certo! Eu e Sofia!
Mas o resto da história ficará para outro dia!

Um comentário:

  1. Por certo e sempre haverá outro dia dia,
    enquanto Sol e Lua e Rio...

    ResponderExcluir