sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Cúm Carago Pá!!!!!


Arte.
Muito já falei de arte, e pouco de arte eu sei, mas reconheço
onde ela é viva e toca o meu sentimento e desafia a minha inteligência.
Em poesia e particularmente o soneto, Camões na Língua Portuguesa, e mais alguns tais...


Florbela, Pessoa, e todos os grandes “sonetistas” do mundo, desde Petrarca etc. tão admiráveis artistas que eu, gostaria muito de ser poeta, mas não sou poeta!

Mas se o fosse não o seria altamente técnico, preciso na língua de Dr. Filólogo, medido e rimado na regra artística, em linguajar culto de quem viajou por Cícero, Homero, Platão, Dante e tantos mais clássicos, inclusive o código divino na bíblia aristotélica, mas sem alma, sem gênio, sem o fogo e água juntos na harmonia de um soneto, que revela uma alma grande ou trágica ou cômica até, mas grande como em Bocage.

Não, não sou poeta, mas esse fogo, esse olhar eu tenho, mas não tenho a métrica nem a técnica e se escrevesse sonetos ficariam parecidos a peças de madeira, até com acabamento, mas artificiais.

Não, sonetos eu só amo os sonetos! Com alma, naturalmente não com regras como já os vi até por aí bem próximos, e a alguns até enfeitei de cores.

7 comentários:

  1. C'um carago, Pá! JCN

    ResponderExcluir
  2. Sem regras não há sonetos,
    mas outra coisa qualquer;
    quanto ao resto, são aspectos
    para o zé-povo entreter!

    JCN

    ResponderExcluir
  3. Queira dizer-me o que entene
    por génio, meu caro amigo:
    diga lá, se não se ofende,
    onde se compra esse artigo!

    JCN

    ResponderExcluir
  4. Corrijo a gralha "entene" por "entende". JCN

    ResponderExcluir
  5. Na sua fria dimensão teórica
    a dominar em torno o panorama,
    quanto calor humano, quanto drama,
    estão por trás de uma coluna dórica!

    JCN

    ResponderExcluir
  6. RÉDEA CURTA

    Há fogo nos meus versos certamente
    que por dentro me queima em labareda,
    me abrasa o coração, me cresta a mente
    e a combustão dos astros arremeda.

    Só que nem sempre a chama transparece
    por baixo das palavras comedidas
    dando a impressão por vezes que arrefece
    sob a pressão das regras assumidas.

    Quem diz que o diamante já foi lava
    nas entranhas da terra antes de vir
    à superfície... para se exibir.

    De engenho e arte a cem por cento escrava,
    quantas vezes uma alma apaixonada
    se esconde atrás de uma obra... ponderada!

    João de Castro Nunes

    ResponderExcluir
  7. Hoje eu lhe diria que já se compra.
    Hoje tudo se vende!
    Mas Gênio, meu caro amigo, nasce!
    Bem sabe do que lhe falo,
    porque o conhece de perto.

    Pois quem poderia ensinar Camões e mais Alguns Gênios a vós, Inté?
    A academia ajuda, a cultura refinada também,
    mas arte real é coisa de natural.

    Mas também se compra a forma da arte
    e vende a fórmula de a fazer espúria e de madeira, embora eu trabalhe com madeira,
    mas entalhada e não em poesia rsrsrsrs
    Na verdade o uso das palavras
    me é custoso, mas eu falo assim mesmo.

    ResponderExcluir